Facebook Rita Nascimento | Chef Continente
Dificuldade:
Custo:
Tempo de Preparação:
Tipo de Refeição:
Ocasiões:
Chef:
Dieta:

Entrevistas

Rita Nascimento

home-slider-top

A criadora do canal de YouTube e do blogue La Dolce Rita, acaba de lançar o livro Um Bolo por Semana.

Viajou pelo mundo, colecionou experiências gastronómicas e em 2007 decidiu regressar a Portugal onde, durante alguns anos, trabalhou para uma empresa de gelados artesanais, criando sabores para esses gelados. Gulosa assumida, em 2014 Rita Nascimento dava forma ao canal de YouTube La Dolce Rita, para apresentar semanalmente as suas doces receitas. Depois surgiu o blogue com o mesmo nome. Tudo apostas ganhas, com fãs sempre a somar. Seguiram-se os cursos e workshops de pastelaria para gulosos espalhados por todo o país. E, inevitavelmente, vieram os livros, o último dos quais, Um Bolo por Semana (ArtePlural), está nas prateleiras pronto para ser devorado página a página e fatia a fatia.

Diga lá: Para quem passa a vida com uma relação alimentar tão íntima com a doçaria. Como consegue manter-se magra?  
Bom… eu não sou propriamente magra. Há sempre essa tentação de se cair na conversa do peso quando se fala em pastelaria, mas o mais importante é perceber que a pastelaria não é um bicho-papão que faz as pessoas engordar. Os doces devem ser a exceção e não a regra e apesar de eu comer bastantes por causa do meu trabalho (e porque sou uma gulosa irremediável, também, vá), tento comê-los em porções pequenas e, de resto, ter uma alimentação o mais equilibrada possível.

O seu novo livro, um bolo por semana (Arteplural) ainda está, digamos, acabadiço de sair do forno. Fale-nos um pouco desde seu mais recente trabalho.
É verdade, ainda cheira a bolinho quentinho! É um livro que reúne 52 receitas de bolos (uma para cada semana do ano), além de várias dicas de tudo o que diz respeito ao universo dos bolos: formas, o forno, como personalizar receitas, cremes e recheios, etc. São receitas simples e práticas e para todas as ocasiões, desde aquele bolo típico de fim de semana para acompanhar um chá, até um bolo mais requintado para uma festa.

Do seu livro, que bolo recomenda para a Páscoa?
O pão de ló da minha avó é uma excelente sugestão! [Ver revista]. Na Páscoa não pode faltar um bom pão de ló na mesa dos doces.

Qual é, de facto, o seu doce favorito?
Talvez gelados seja o que eu mais adore comer, nunca me canso.

Há 6 anos que tem um canal no Youtube onde, apresenta receitas doces. Uma aposta ganha, portanto.
Na verdade, o canal começou quase por acidente e não foi planeado para ser um canal de receitas como é hoje. Mas estou muito contente com o rumo que acabou por tomar e agora é uma parte muito importante da minha vida e do meu dia a dia.

Alguma vez lhe foge a mão (e a boca) para os salgadinhos?
Não me foge, eu meto-as lá de propósito! Apesar de adorar doces, gosto de comer de tudo.

Um lema de vida?
Come e deixa comer.

Que workshops vai dar em Abril?
Em abril só vou dar dois cursos em Lisboa: dia 4 um de doces de Páscoa e nos dias 14 e 15 um de bases de pastelaria. Mas no meu site está sempre a lista dos cursos atualizada e já tenho alguns marcados até ao verão.

Qual o ingrediente culinário que considera mais versátil?
Talvez os ovos. É incrível como conseguem adquirir texturas tão diferentes, dependendo da maneira como são manipulados e/ou cozinhados.

Um cuidado de beleza que nunca dispensa?
Usar creme hidratante que é muito básico, mas importante.

Como é isso de passar o dia a criar, testar e provar receitas de pastelaria? Mais, menos ou tão agradável como se possa imaginar?
Eu adoro, a minha parte preferida do meu trabalho é esse processo de criação, de combinar sabores e texturas e de testar uma receita até estar satisfeita. Mas é trabalhoso, demorado e envolve muita loiça para lavar!

Qual é o seu guilty pleasure?
Todos os meus pleasures são guilt free. Não me sinto culpada por comer ou fazer alguma coisa de que gosto.

Um destino que a marcou?
No ano passado fui sozinha para o Japão e adorei tudo: a experiência de ter ido sozinha, as peculiaridades do país, as paisagens, a cultura… Foi mesmo muito giro!

Uma paixão para a vida...
A minha cadela Lola.

 

Mais entrevistas