Catarina Ferreira | Chef Continente
Dificuldade:
Custo:
Tempo de Preparação:
Tipo de Refeição:
Ocasiões:
Chef:
Dieta:

Entrevistas

Catarina Ferreira

home-slider-top

Artista plástica e fotógrafa, a autora do blogue Ties é mãe de quatro filhos.

O que a faz imensamente feliz são os seus quatro filhos – a Leonor, o Xavier, o Sebastião e a Graça – que teve entre os 23 e os 29 anos. Hoje, aos 33, tem uma vida cheia de amor e também muito ocupada, pois ao papel de mãe, e esposa e artista, ainda soma o de blogger, dedicando parte do seu tempo ao blogue que criou em 2011, Ties, com o intuito de poder falar livremente sobre maternidade e contar as suas histórias como se fosse uma espécie de diário. Correu-lhe bem a ideia de aderir às redes sociais e seguidores não lhe faltam. Porque com Catarina Ferreira é fácil estabelecer laços.

É artista plástica, a fotografia surgiu na sua vida em que circunstâncias?
Desde que me conheço, pintar e desenhar é o que me faz feliz. A fotografia surgiu mais tarde, ao explorar na escola todas as técnicas associadas às artes plásticas, mas sempre a vi como um hobby ou um processo de pesquisa para os meus trabalhos de pintura.

Quando decidiu fazer da fotografia uma profissão?
Depois de ser mãe do meu segundo filho, o Xavier. Por essa altura comecei a ver muitos blogues de mães que fotografavam os filhos. Também eu adorava fotografá-los. Aos 24 anos, com dois filhos e uma vida muito desenquadrada da dos meus
amigos, senti que precisava de um blogue também relacionado com a nova fase que vivia. Assim que comecei, em 2011, percebi que a fotografia de família poderia ser uma maneira de conciliar a parte artística com um trabalho.

A pintura ficou onde ao longo da sua vida?
Eu sinto e respiro a pintura. Teve um peso gigante na minha vida, trabalhei muito para ser artista e era o rumo que tinha traçado para mim, mas também tinha como objetivo ser mãe e ter uma família. Os professores diziam ser inconciliável e mais tarde percebi que era um jogo difícil.

Criou o blogue Ties em 2011. Como lhe surgiu a ideia e o que estava por detrás da mesma?
Comecei inspirada em blogues como o da fotógrafa Mariana Sabido. Assim que abri o blogue e conheci ainda mais pessoas que também tinham um, entusiasmei-me. O que eu mais queria com o blogue era ter um sítio onde pudesse falar sobre a maternidade livremente, contar as nossas histórias, uma espécie de diário. Um dia uma amiga disse-me que eu fotografava bem e eu pensei que talvez pudesse criar também um negócio ligado com a fotografi a de famílias. Decidi arriscar.

Gostava de ter mais filhos?
Gostava, acho que vou gostar sempre. Mas sentimos que estamos bem, passado o turbilhão da viragem de três para quatro, que foi a que custou mais. Decidimos que não vamos ter mais bebés, que estamos na fase de aproveitar os 33 anos que temos, e entrar nesta nova fase da vida vendo os filhos crescer com total disponibilidade.

Como concilia a sua vida profissional com a rotina de ser mãe de quatro crianças?
A minha vida profissional foi sempre sendo ajustada às necessidades da minha família, no entanto isto nem sempre foi óbvio ou fácil de aplicar. Nos primeiros anos de trabalho, andávamos todos em função das sessões fotográfi cas. Com o tempo, com o aumento de número de fi lhos e com o meu crescimento pessoal, fui afunilando as áreas da fotografi a que queria mais trabalhar. Sendo gestora do meu tempo, permito-me alguns luxos, agora que os miúdos estão todos na escola e crescidos.

Que "gurus" segue no instagram?
Jenna Kutchner.

Há vantagens em ser-se mãe ainda muito jovem? E inconvenientes, vê alguns?
Começo pelos inconvenientes, talvez apenas um: a maioria dos nossos amigos não estava na mesma fase de vida e, por isso, há alguma solidão neste processo. O que às vezes custa um bocadinho. Imensas vantagens: sabemos menos, por isso somos menos ansiosos; facilidade em engravidar; se tivermos projetos de ter mais que dois, três filhos, temos tempo para o fazer com calma; avós novos e mais disponíveis.

Qual o estilo que mais gota de ver nos seus filhos?
Gosto de os ver “bem vestidos”. A parte visual e estética tem imenso peso no meu dia a dia, não posso dizer que não. Ao longo dos anos e de os ver crescer, o meu gosto tem mudado bastante: se a Leonor e o Xavier (mais velhos) usaram roupas mais tradicionais, com os mais novos já foi não foi assim. Gosto de muitas coisas diferentes, mas acima de tudo gosto que eles estejam alinhados, que no fi m as roupas de todos tenham harmonia.

A Catarina e os seus filhos fazem planos especiais para comemorar o dia da mãe?
Sim! Geralmente há um pequeno-almoço na cama preparado pelos meus filhos, o resto é o que nos apetecer [risos].

Ser mãe é?...
É termos uma vida cheia de amor para sempre.

Um adjetivo para caracterizar cada um dos seus filhos.
Leonor, altruísta. Xavier, fiel. Sebastião, diplomata. Graça, teimosa.

O que não pode faltar no seu frigorífico e despensa?
Ovos e atum. Os miúdos amam jantar arroz com atum e para o pequeno-almoço ovos mexidos.

Qual é o seu guilty pleasure?
Hmm...tantos! Adoro alcachofras e adoro caramelo salgado.

Qual o ingrediente culinário que considera mais versátil?
Adoro manteiga, confesso! Não é o mais saudável, mas adoro cozinhar com manteiga.

O que faz para manter a sua boa forma física?
A minha forma varia muito durante o ano. Mas treino duas vezes por semana, ultimamente também estou a aprender padel e quando preciso de entrar na linha começo a comer só sopa ao jantar e também faço jejum intermitente (cortando essencialmente no açúcar, que é o meu calcanhar de Aquiles).

Um destino que definitivamente a marcou?
Ainda não tive oportunidade de viajar muito, mas gostei muito de ir a Marraquexe, foi das melhores viagens a dois. As pessoas, as cores, a gastronomia, foi incrível!

Um segredo para o seu equilíbrio?
Não sofrer por antecipação, procurar coisas boas à minha volta, mantendo-me positiva e alegre. Praticar exercício e relativizar algum caos ou coisas inesperadas.

Uma viagem para fazer em família?
Autocaravana por Portugal. São incríveis os laços que se fazem. Se puderem, tirem um mês em família.

O que a faz sentir realizada?
Ver o meu trabalho exposto, os clientes felizes, olhar os meus filhos ao longe, ver esta vidacheia e incrível.

Uma paixão para a vida...
A fotografia e a pintura serão sempre as minhas paixões!

Mais entrevistas