Dificuldade:
Custo:
Tempo de Preparação:
Tipo de Refeição:
Ocasiões:
Chef:

Destinos

Guimarães

home-slider-top

Viagem ao berço 
da nacionalidade

Rume ao Minho e vá conhecer uma cidade e uma região onde se cruzam tradição e modernidade 
e que acolhe os seus visitantes de braços abertos.

Com uma paisagem inspiradora, um património riquíssimo, uma população dinâmica e empreendedora e uma gastronomia capaz de tentar os paladares mais relutantes, Guimarães é uma cidade única e especial, e mais ainda agora que recebeu o estatuto de Capital Europeia da Cultura e por isso multiplica os seus atrativos (mais informações em www.guimaraes2012.pt).

Foi ali que em 1128 teve origem a fundação da nacionalidade portuguesa e o reconhecimento de D. Afonso Henriques como primeiro rei de Portugal. A recordar esse facto histórico está o Castelo de Guimarães, mandado construir no século X pela Condessa Mumadona Dias para defesa do povoado e hoje ponto de visita obrigatória. Mas a cidade (e o concelho) tem inúmeros monumentos históricos e contemporâneos que o turista não deverá deixar de ver, como é o caso do Paço dos Duques de Bragança, as Muralhas da Cidade, a Igreja da Misericórdia, o Museu Martins Sarmento e o Centro Cultural Vila Flor, entre muitos outros.

O centro histórico, elevado a Património Mundial da UNESCO em 2001, é um local com uma variada oferta de diversão noturna, atraindo para a zona centenas de locais que se misturam com o número crescente de visitantes que a cidade recebe. Para lá convergem pessoas de todas as idades, sobretudo no verão, época em que, a par da habitual oferta de lazer proporcionada pelos bares e restaurantes que ali se localizam, têm lugar espetáculos culturais, sessões de cinema ao ar livre e a recriação de mercados medievais.

E como se não bastasse de atrativos, existe ainda a gastronomia local que não deixa ninguém indiferente: da sopa de nabos e do caldo verde aos variadíssimos pratos de bacalhau (como o bacalhau frito ou o bacalhau recheado), passando pelas papas de sarrabulho, rojões, bucho recheado, arroz de frango pica-no-chão e cabrito assado. Por fim, mas não menos importantes, os doces maioritariamente conventuais, como o toucinho do céu, as tortas de Guimarães, as brisas da Penha, os mexidos, o arroz doce…

Por tudo isto e ainda mais rume ao Minho e vá conhecer uma cidade e uma região onde se cruzam tradição e modernidade e que acolhe os seus visitantes de braços abertos, não fossem os vimaranenses pessoas de coração generoso e simpatia ímpar.

 

Mais destinos