Mel | Chef Continente
Dificuldade:
Custo:
Tempo de Preparação:
Tipo de Refeição:
Ocasiões:
Chef:
Dieta:

Alimento Autêntico

Mel

home-slider-top

Muito sabor num 
alimento fundamental

O mel é um alimento que acompanha o Homem desde a Pré-História e sempre teve um papel importante nos nossos hábitos alimentares. Hoje em dia, quase passa despercebido mas há que dar valor a este super alimento.

O mel é um alimento tão comum que nem nos lembramos que é utilizado pelo Homem desde a Pré-História. Autêntico adoçante natural, é produzido pelas abelhas melíferas a partir do néctar das flores e de algumas secreções de determinadas plantas, que são processados pelas enzimas digestivas das abelhas. Posteriormente, é armazenado em favos nas colmeias destes insetos para lhes servir de alimento. O mel é um alimento açucarado, de consistência líquida, viscosa ou mesmo endurecida. O mel puro pode cristalizar naturalmente sem que se altere a sua qualidade. Em função das flores de onde é extraído o néctar, o mel pode apresentar uma coloração que vai desde o incolor ao amarelo, ou mesmo ao castanho. Deste modo, a cor e a consistência dos vários tipos de méis não se traduz em indicador de qualidade. 

Um alimento amigo dos atletas. De um modo geral o mel é constituído por cerca de 75 por cento de açúcares simples (glicose e frutose), 20 por cento de água, aminoácidos, alguns minerais (cálcio, ferro, magnésio, fósforo e potássio), vitaminas (C, D, E e complexo B) e antioxidantes (compostos fenólicos e flavonoides). Devido ao seu elevado teor em açúcares de absorção rápida, o mel é um alimento energético, de elevado índice glicémico e valor calórico – 100 g de mel representam cerca de 340 Kcal. Como alimento energético que é, o mel é um importante aliado na dieta do atleta. 

Alimento e medicamento... Para além das suas propriedades adoçantes, o mel sempre foi reconhecido pelas suas propriedades terapêuticas. O mel apresenta caraterísticas digestivas, anti-inflamatórias, antimicrobianas, analgésicas e antissépticas. A nível tópico, o mel pode ser usado como cicatrizante em feridas e queimaduras leves, prevenindo a sua infeção. 

Pelas suas propriedades adstringentes e suavizantes, o mel é muito utilizado na indústria cosmética – cremes, tónicos, máscaras de limpeza facial, etc. 

Utilizado diariamente, o mel pode melhorar a nossa qualidade de vida, uma vez que tem propriedades revigorantes em pessoas cansadas e nervosas, propriedades digestivas, propriedades laxativas ligeiras regulando o trânsito intestinal, melhorando e ajudando a tratar doenças respiratórias, prevenindo o aparecimento de gripes e constipações. Em suma: o mel é um excelente tonificante do organismo.

Existem inúmeras variedades de mel, de diferentes cores, aromas, sabores e consistências, em função das plantas de onde é extraído o néctar e também em função da localização geográfica dessas mesmas plantas e do tipo de abelhas produtoras. 

Quando o néctar provém de uma única flor diz-se que o mel é monofloral, quando provém de mais do que um tipo de flor diz-se que é plurifloral. Em rigor, não haverá mel monofloral, no entanto, a presença de outro néctar em pequena quantidade, não altera de modo significativo o aroma, a cor e o sabor de um mel produzido essencialmente a partir do néctar de determinada flor. De entre os vários tipos de mel monofloral destacam-se os méis de rosmaninho, laranjeira, eucalipto, girassol, urze, rosas, etc. 

Nos últimos anos a produção de mel tem aumentado, assim como o seu consumo, face a um maior interesse em produtos naturais e saudáveis. O maior produtor mundial de mel é a China, seguindo-se a Argentina, o México, os Estados Unidos e o Canadá. Em Portugal, apesar de o número de produtores ter vindo a diminuir, existem alguns milhares de apicultores e a produção de mel tem aumentado, representando uma fração importante da economia regional e nacional. Contudo, apesar das condições climáticas serem favoráveis à produção de mel, tal como a restante União Europeia, Portugal é deficitário em mel, recorrendo à sua importação. 

A comprovar o interesse crescente dos produtores portugueses em apostar na qualidade do mel produzido estão as 12 denominações de origem geográfica de mel reconhecidas. Estas denominações asseguram-nos que o mel é obtido respeitando determinadas regras de produção, extração, embalamento e conservação. As regiões produtoras portuguesas são: Açores, Alentejo, Barroso, Serra de Monchique, Terra Quente, Terras Altas do Minho, Ribatejo, Albufeira de Castelo do Bode, Serra d’Aire, Parque de Montezinho e Serra da Lousã. 

Muito mais do que um doce...

Essencialmente utilizado para adoçar alimentos como leite ou chá, o mel também é utilizado como ingrediente principal em alguns doces, como pudim de mel, broas de mel e bolo de mel (típico da ilha da Madeira). Em alimentos salgados é mais utilizado na preparação de molhos, como o molho agridoce e vinagretas para saladas.

 

Mais alimentos