Dificuldade:
Custo:
Tempo de Preparação:
Tipo de Refeição:
Ocasiões:
Chef:
Dieta:

Alimento Autêntico

Especiarias

home-slider-top

Especiarias, ingredientes indispensáveis na sua cozinha.

Se se costuma dizer que "os olhos também comem" quando se fala na apresentação de um prato, a verdade é que o paladar e o olfato são o que nos leva a gostar ou não de uma receita. Sabor e cheiro são a alma dos cozinhados, aquilo que faz deles um sucesso, que nos fica na memória e que nos faz querer repetir a experiência gastronómica. E se há segredos para se alcançar esse êxito, um deles é o uso das especiarias, que acrescentam algo de positivo aos alimentos. Venha conhecer algumas das especiarias.

Açafrão
Originário da Índia, é a especiaria mais cara do mundo. Feito a partir de uma flôr, para produzir um quilo de açafrão são necessárias cerca de cem mil flores. O açafrão em fios é mais raro, mas melhor que o moído. Tem propriedades antiespasmódicas e sedativas.

Usos culinários: Muito apreciado tanto como tempero como pela cor. É essencial na preparação da típica paella espanhola, da francesa bouillabaisse e do risoto italiano alla milanese. Usa-se em pratos árabes de arroz e liga bem com carne de borrego, aves e peixe.

Anis-Estrelado
Planta nativa da China e do Japão, da família das Magnoliáceas, de casca aromática, flores amarelas e frutos em forma de estrela, cujas sementes são usadas em farmácia, perfumaria e na produção de licores. Ajuda a nível dos distúrbios digestivos e no combate à tosse. 

Usos culinários: O anis-estrelado possuí um sabor adocicado, mas algo picante. É muito comum na confeção de pratos chineses clássicos nomeadamente para condimentar carne de porco e pato. E vai bem com doces, geleias, sobremesa e sobretudo com fruta em calda.

Canela
Árvore de origem cingalesa, da família das Lauráceas, cuja casca aromática é usada, em pó ou fragmentada, em paus, como condimento culinário, na área da perfumaria e para fins terapêuticos. A canela, que é talvez uma das mais antigas especiarias, tem uma ação vasodilatadora, estimulante hepática e digestiva.

Usos culinários: utiliza-se na confeção de doces, bolos, compotas, sumos de fruta, vinho quente, chá e mel, bem como no arroz doce. Na cozinha oriental, usa-se para condimentar pratos de carne e de peixe. Combina com todo o tipo de frutos secos. Experimente pôr uma pitada de canela no chocolate quente ou no café.

Cardamomo
Nativo da Ásia, o cardamomo tem sabor e aroma parecidos com o gengibre- o que não admira, pois pertence à sua família. Esta especiaria é constituída por uma vagem que contém semente adocicadas. Tem propriedades relaxantes, alivia dores causadas pela gastrite e ajuda a manter a saúde dos dentes e gengivas.

Usos culinários: É usado em pratos indianos, tanto salgados como doces. Excelente em bebidas quentes, como chá ou café, bem como em bolachas, biscoitos, na salada de fruta ou para condimentar maçã assada ou compotas.

Cominho
De origem mediterrânica, trata-se de uma planta muito antiga, que foi utilizada por várias civilizações. Hoje em dia é uma das especiarias mais populares da culinária da Índia, México e Médio Oriente. Com um aroma forte, único e relaxante, o cominho é bom para a memória, para a digestão, para a pele.

Usos culinários: Quando em grandes doses, pode tornar-se enjoativo, mas é uma especiaria que dá um toque único e delicioso a alguns pratos. No norte da Europa é salpicado sobre o pão, saladas e alguns queijos. O cominho é essencial em misturas de especiares.

Cravinho
Originária das ilhas Molucas, o nome desta especiaria vem da palavra latina clavus, que significa prego, e tal deve-se à sua aparência. O aroma do cravinho, também é conhecido por cravo-da-índia, é ligeiramente picante e adocicado, mas o seu sabor é amargo. sendo atenuado depois de cozinhado. Tem propriedades antisséticas, sendo bastante usado em odontologia e ajuda também na prevenção de micoses.

Uso culinário: Realça o sabor de pratos doces, assados, ponche e vinho quente. Confere um aroma apimentado a pratos de carne e peixe, bem como a caça e alimentos fumados. Faz parte da famosa mistura de especiarias garam masala.

Noz-moscada
Semente do fruto da moscadeira. polposa, de coloração vermelho-acastanhada, muito aromática, utilizada como condimento e para fins medicinais. Pode utilizar-se inteira ou em pó e tem um sabor adocicado, mas ligeiramente picante. Ajuda à digestão, é um estimulante cerebral e alivia as dores nas articulações e nos músculos.

Usos culinários: Indispensável no puré de batata, também pode ser utilizada para temperar sopas, legumes, molhos, pratos de carne e peixe e ainda em sobremesas. Deve ser ralada na altura da confeção.

Pimenta-preta
A planta da pimenta é originária das florestas equatoriais da Índia e as bagas da costa do Malabar são consideradas as melhores. Os grãos da pimenta verde são colhidos quando ainda estão a amadurecer. Se forem secos ao sol, dão origem à pimenta-preta. Para a pimenta branca, as mesmas bagas são deixadas na planta até amadurecerem. Depois de humedecidas e peladas para aproveitar os núcleos ou caroços brancos, que são secos. A primenta-preta é um condimento forte, ardente e aromático, e a nível medicinal é um bom auxiliar da digestão, alivia a tosse e ajuda a baixar a febre.

Usos culinários: Pode ser utilizada em molhos, sopas, marinadas, em carnes, peixes, etc.

Pimentão-doce
É cultivado sobretudo nos Balcãs,Hungria, Espanha e França, assim como na América Central e do Sul e em Portugal. O pimentão-doce é um picante suave que dá aos pratos um tom vermelho escuro. Esta especiaria combate o envelhecimento precoce e ajuda a manter os ossos saudáveis.

Usos culinários: Indispensável para fazer o típico prato húngaro goulash. Idel para bacalhau. carnes e molho à espanhola. Tradicionalmente utilizado em carnes de cabrito e porco assadas, grelhadas ou fritas, vitela assada e molho de escabeche.

Pimenta Rosa
Aroeira, aroeira-pimenteira, pimenta-do-brasil, pimenta-brasileira... São muitos os nomes para a pimenta rosa, uma espécie pioneira e nativa do Brasil, que não tem qualquer parentesco com a família das pimentas. Na verdade, ela é parente do caju, da manga e do cajá mirim. A pimenta rosa é anti-inflamatória e atua na depuração e purificação do organismo.

Usos culinários: O seu principal uso é decorativo, mas funciona como ingrediente em grelhados de carne, pratos com queijos e sobremesas com chocolate preto e branco.

1. COMO GUARDAR
Como grande parte das especiarias perdem rapidamente o seu aroma, convém comprar pequenas quantidades e guardá-las em recipientes herméticos, longe da luz e num local seco e arejado. Sempre que possível, pote por adquirir as especiarias em grão e não em pó e moa-as na altura da sua utilização. Assim o seu sabor será mais intenso.

2. TOME NOTA
-Use as especiarias sempre com conta, peso e medida. Mais vale menos quantidade e retificar mais tarde, do que a mais, porque depois será dificil resolver o problema.
-Se a comida tem demasiada pimenta, acrescente um pouco de açucar que corta o sabor picante.
-Antes de usar uma especiaria, cheire-a: se estiver com aroma apagado, significa que está velha e é melhor descartá-la do que tentar usá-la.
-Especiarias em grão: para obter sabor mais intenso, torre os grãos numa frigideira. Mexa-os em fogo alto por 1 a 2 minutos, e use-os imediatamente, inteiros ou moídos.

3. CURIOSIDADES
-A palavra especiaria vem do latim species, que significa plantas especiais, consideradas assim pelo seu poder aromático ou curativo.
-É estimado que na Idade Média cerca de 2000 toneladas de especiarias eram trazidas da Ásia todos os anos.
-Consta que a Rainha Elizabeth I, de Inglaterra, usava luvas aromatizadas com água de rosas e especiarias.
-Dizem que a coca-cola é aromatizada com noz-moscada e canela. Será?

Mais alimentos