Dióspiros | Chef Continente
Dificuldade:
Custo:
Tempo de Preparação:
Tipo de Refeição:
Ocasiões:
Chef:
Dieta:

Alimento Autêntico

Dióspiros

home-slider-top

Sempre bons, à colher ou a roer

Com o aparecimento dos dióspiros (e também das castanhas, dos marmelos e das romãs), sabemos que o outono chegou com a sua belíssima paleta de cores, por onde desfilam amarelos e castanhos, a que se juntam tons de laranja, vermelho e roxo. Cores com que a natureza nos brinda das mais variadas formas, inclusive na fruta desta estação, fruta essa que aumenta o leque de sabores de que podemos desfrutar.

Os vários tipos de dióspiro

Isto leva-nos de volta ao dióspiro (Diospyros kaki ), fruto por excelência do outono, belo por fora, doce por dentro, com uma forma geralmente esférica, levemente achatada, de coloração avermelhada, alaranjada ou amarela (dependendo do seu conteúdo em carotenos), polpa viscosa, alaranjada, com uma textura suave e por vezes fibrosa e, consoante o seu teor em taninos, mais ou menos áspera. Surgindo em diversas variedades, os dióspiros dividem-se em função da sua adstringência:

Os adstringentes (de polpa mole, que se comem à colher), que incluem as variedades Coroa de Rei, Kaki  tipo e Roxo Brilhante, são os mais comuns e necessitam de uma maturação adequada para poderem ser consumidos, ou seja, têm que estar totalmente maduros, de outra forma os taninos presentes no fruto fazem com que "trave na boca”, deixando-a áspera e com uma sensação desagradável.

Os não adstringentes (de polpa dura ou de roer), que incluem as variedades Fuyo , Hana Fuyo , O Gosho , Giro , Cal-fuyo , Fau-fau  e Sharon , podem consumir-se de imediato após a colheita e comer-se como se fossem maçãs.

Mas seja qual for a sua variedade, o fruto do diospireiro, retirando-se-lhe a sua fina casca, é praticamente constituído só por polpa, de aparência gelatinosa e fria, composta basicamente de mucilagem (substância gomosa que se encontra em quase todos os vegetais) e pectina (um polissacárido complexo), responsáveis pela sua aparência característica.

No que diz respeito ao seu teor de açúcar, este varia entre os 14 e os 18%, superando o da maioria das frutas de consumo popular.

Da China para o mundo

Proveniente da Ásia, mais precisamente da China, o dióspiro foi daí levado para a península da Coreia, para a Índia e para o Japão, onde se cultiva desde o século XVII. Com o passar do tempo, difundiu-se pelo resto do mundo. Atualmente, os principais países produtores deste fruto são a China, o Japão, a Coreia, o Brasil, a Índia e, na Europa, a Itália e a Espanha. Segundo o Observatório dos Mercados Agrícolas e Importações Agro-Alimentares, em Portugal existem pomares de dióspiros bem conduzidos, regados e com boa produtividade, localizados sobretudo naregião do Algarve.
A área ocupada por esta cultura é de cerca de 231 hectares, dando origem a uma produção superior a 2.900 toneladas anuais e a época de comercialização ocorre desde o início de outubro até meados de dezembro.

Um fruto com vários usos

Contra os soluços - na China, é usado como remédio tradicional para combater os soluços. Misture 9 g do cálice do dióspiro com 3 g de gengibre fresco, adicione água, deixe ferver por alguns minutos e beba.

Sistema imunitário e visão - os dióspiros são fonte de fibra e vitamina A, que contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário e para uma visão normal.

Máscara antiaging - Este fruto dá uma máscara facial eficaz e muito fácil de fazer em casa. Para isso, basta misturar bem a polpa mole de um dióspiro com uma gema de ovo e sumo de limão e aplicar no rosto durante dez minutos.

Repelente de insetos - o cheiro do dióspiro adstringente é ótimo para repelir insetos. Amasse o fruto inteiro, aplique-o num pedaço de pano e coloque-o na area onde se concentram os insetos

Culinária - pode congelar dióspiros de polpa mole bem maduros e comê-los como gelados. Os de roer podem ser adicionados a saladas para lhes dar mais sabor e um toque crocante.

Saqué - sendo frutos ricos em taninos, os dióspiros são frequentemente usados no Japão para fazer saqué, uma espécie de aguardente.

Combater a celulite - ombine puré de dióspiro com café moído grosseiramente e use-o como esfoliante contra a celulite. Repita o tratamento três vezes por semana durante cerca de três meses.

Receita - Molho de dióspiros

Ingredientes
2 dióspiros de roer
1 cebola roxa
1 malagueta vermelha
2 c. sopa de coentros
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.
vinagre q.b.

Preparação

Corte os dióspiros em cubos, coloque-os numa taça, junte a cebola, a malagueta e os coentros, tudo picado.

Tempere com sal, pimenta, azeite e vinagre. Sirva com carnes grelhadas.

 
Informação nutricional

Conheça a composição do dióspiro por cada 100 g de parte edível.

Energia: 58 kcal
Água: 82,6 g
Proteína: 0,6 g
Hidratos de carbono: 14,8 g
Fibra alimentar : 1,5 g
Vitamina A: 177 g
Caroteno: 1060 mg
A-tocoferol: 0,10 mg
Tiamina: 0,030 mg
Riboflavina : 0,020 mg
Niacina: 0,30 mg
Vitamina B6: 0,045 mg
Vitamina C: 3,0 mg
Folatos : 7,0 g
Cinza: 0,55 g
Sódio: 5,0 mg
Potássio : 228 mg
Cálcio: 10 mg
Fósforo: 13 mg
Magnésio: 7,0 mg
Ferro: 0,2 mg
Zinco: 0,1 mg

Fonte : Tabela da Composição dos Alimentos, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.


Siga as sugestões dos especialistas

1. Como escolher
Dependendo da variedade em causa, o seu nível de firmeza deve ser mais ou menos rígido. Ao comprar dióspiros, deve escolher frutos com pedúnculo e cálice, brilhantes, sem manchas na casca e sem fissuras.

2. Como consumir
Geralmente, são consumidos ao natural ou com canela ou ainda secos. Podem ser utilizados em recheios para tartes, bolos e biscoitos, em mousses, batidos, iogurtes e saladas.

3. Como conservar
Se os dióspiros não estiverem totalmente maduros, devem ser colocados em local fresco e arejado para completar a maturação. Se estiverem maduros, o ideal é guardá-los no frigorifico por quarto ou cinco dias.

Mais alimentos