Batata | Chef Continente
Dificuldade:
Custo:
Tempo de Preparação:
Tipo de Refeição:
Ocasiões:
Chef:
Dieta:

Alimento Autêntico

Batata

home-slider-top

Tão versátil como popular

Tão versátil como popular

Cozidas, fritas, assadas, guisadas, salteadas, gratinadas, a murro, à parisiense, como base de sopas, recheadas, em puré e em soufflé, em bolos e broas, em croquetes e gnocchi... O uso culinário das batatas só se esgota se se impuserem limites à imaginação e à criatividade. Tubérculo visto com desconfiança e hostilidade pelos europeus nos idos de Quinhentos, em que chegou a ser acusado de provocar doenças como a lepra, o raquitismo e a tuberculose e de dar às bruxas o poder de voar, as batatas foram subindo, tímida mas persistentemente, na hierarquia dos produtos gastronómicos, perdendo o estigma de alimento que servia apenas para dar aos porcos e a prisioneiros e popularizando-se aos poucos nas mesas de todas as classes sociais. Hoje em dia são o quarto alimento mais consumido em todo o mundo, só perdendo para o trigo, o arroz e o milho.

Séculos de história

Desconhecidas no Velho Continente até ao século XVI, há muito que as civilizações andinas produziam e consumiam este tubérculo, tendo os Incas, há cerca de sete mil anos, aperfeiçoado o seu cultivo usando, inclusive, técnicas de irrigação. 

Foram os conquistadores espanhóis, por volta de1590, que ao regressarem das Américas trouxeram com eles as batatas com que se tinham deparado no Peru.

A porta de entrada deste alimento na Europa foi a Espanha e daí expandiu-se para a Itália e Estados Pontifícios, França e Alemanha. À Grã- Bretanha aportaram tubérculos semelhantes trazidos da Virgínia, América do Norte, por Sir Walter Raleigh. Ao chegar a Portugal, a batata ficou conhecida como "castanha da terra", uma vez que desempenhou um papel importante na substituição desta nos nossos hábitos alimentares. Mas seria somente no século XVIII, graças ao farmacêutico do exército francês Antoine-Augustin Parmentier, que se reconheceu finalmente as potencialidades da batata. Parmentier descobriu as suas qualidades nutritivas durante o período em que esteve preso na Prússia e quando regressou a casa tratou de popularizar o seu consumo, no que foi ajudado pela instabilidade política e consequente penúria que se seguiram à Revolução Francesa, em 1789.

No entanto, seria a fome que grassou em vários países europeus que viria a contribuir em definitivo para a popularidade da batata como alimento eficaz e barato. A derradeira prova da sua importância foi "a grande fome da batata" que ocorreu na Irlanda em 1850 - onde o tubérculo era a base da alimentação da população - quando uma praga dizimou osbatatais do país, provocando um milhão de mortes e a emigração de outro milhão para a os EUA.

Produção e variedades

Segundo o Centro Internacional da Batata, no Peru, existem mais de quatro mil variedades comestíveis de batata, encontradas sobretudo nos Andes, na América do Sul. Mais de mil milhões de pessoas em todo o mundo consomem batatas e a produção agrícola dos três principais países produtores deste tubérculo (China, a Rússia e a Índia) atinge os 300 milhões de toneladas/ano. Em Portugal, a batata é uma cultura importante com uma produção anual superior a 700 mil toneladas, sendo cultivada em todo o território nacional mas com seis áreas de mercado mais representativas: Aveiro, Viseu, Montijo, Oeste, Bragança e Chaves. Embora a produção de batata seja feita ao longo
de todo o ano, há dois períodos de colheita que se consideram mais importantes: entre março e abril, quando surge a batata primor, e entre julho e agosto, quando aparece a batata de conservação. As variedades de batatas são classificadas pela forma (compridas ou redondas) e pela cor da casca, que pode ser branca, castanha-avermelhada ou vermelha. As variedades mais utilizadas no nosso país são a Desirée, a Kennebec, a Jaerla, a Spunta, a Monalisa, a Marine, a Asterix e a Stemser.

Benefícios

Reduz a tensão arterial. Cientistas do Instituto de Investigação Alimentar, no Reino Unido, identificaram na batata compostos chamados kukoaminas que ajudam na redução da tensão arterial. 

Ajuda na prisão de ventre. Tanto a fibra solúvel como a insolúvel existentes neste tubérculo ajudam a prevenir a prisão de ventre. E diminuem também o mau colesterol, protegem contra o cancro do cólon e mantêm os níveis de açúcar no sangue dentro da normalidade.

Boa para a saúde alimentar. Com uma alta concentração de vitamina B6, uma chávena de batata cozida contém 21% do valor diário deste importante nutriente, o que faz dela um importante alimento para a promoção da saúde alimentar. 

Auxilia o sistema nervoso. As células neurológicas são "colegas" da vitamina B6, que é necessária na criação de amina para os neurotransmissores que o sistema nervoso utiliza para transmitir mensagens de um nervo a outro.

Aumenta o desempenho atlético. A vitamina B6 é necessária para a quebra do glicogénio, e isso tem influência na performance atlética e na resistência física.

Curiosidades

Usos vários. A batata era a base original da vodka, que depois passou a ser feita também de cereais. Este tubérculo é também usado em comida para animais domésticos, em medicamentos e cosméticos. O amido de batata é utilizado como espessante alimentar em sopas e molhos. Na indústria têxtil, a batata é usada como adesivo e no fabrico de placas. Algumas empresas têm explorado a possibilidade de transformar os desperdícios da batata em ácido polilático para usar em produtos plásticos. 

Museu da Batata. Fundado em 1975 em Bruxelas, Bélgica, este é o primeiro museu dedicado à batata e tem a maior coleção do mundo deste tubérculo. Saiba mais em www.potatomuseum.com.

COMPOSIÇÃO


A batata pertence ao grupo dos produtos hortícolas e derivados, exceto leguminosas. Conheça a sua composição por cada 100 g de parte edível.


Energia: 89 kcal
Água 76,0 g
Proteina: 2,5 g
Hidratos de carbono: 19,2 g
Amido: 18,0 g
Fibra alimentar: 1,6 g
Tiamina: 0,21 mg
Niacina: 1,4 mg
Vitamina B6: 0,44 mg
Vitamina C: 14 mg
Potássio: 452 mg
Cálcio: 9,0 mg
Fósforo: 42 mg
Magnésio: 13 mg


Fonte: Tabela de composição dos alimentos portugueses (Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge).

Mais alimentos